Jesus encontra com Maria

Hoje meditamos a quarta estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus encontra com Maria

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua Mãe: “Ele foi estabelecido para a queda e o ressurgir de muitos em Israel, e para ser sinal de contradição; e uma espada Te há-de traspassar a alma. Assim se deverão revelar os intentos de muitos corações” (…) Sua mãe guardava no coração todas estas recordações. (Lc 2, 34-35.51)

Maria está ali, com a coragem de mãe, com a fidelidade de mãe, com a bondade de mãe, e com a sua fé, que resiste na escuridão: «Feliz daquela que acreditou» (Lc 1, 45). Maria foi aquela que permaneceu fiel até mesmo no momento em que os próprios discípulos fugiram. Aquela que acreditou no anjo quando anunciou o que era incrível – que haveria de ser Mãe do Altíssimo – assim também acreditou e se manteve firme na hora da Sua maior humilhação, sofreu em silêncio e confiou. E foi assim que, na hora da cruz, na hora da noite mais escura do mundo, Vos tornastes Mãe daqueles que creem, Mãe da Igreja.

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estação com calma e reflete: Quais os momentos em que tenho tido a fé como a de Maria? Tenho pedido a ela que me dê a graça das virtudes que me são necessárias (especialmente da fé e da confiança)? Tenho repetido as frases que ela pronunciou com verdadeira entrega nesse momento da queda de Jesus, “estou aqui Jesus”? Tenho deixado que “faça-se em mim” segundo as vontades daquele que me criou?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Jesus carrega a cruz

Hoje meditamos a segunda estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus carrega a cruz

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

“Os soldados arrancaram-lhe as vestes e colocaram-lhe um manto. Depois, trançaram uma coroa de espinhos, meteram-lha na cabeça e puseram-lhe na mão uma vara. Dobrando os joelhos diante dele, diziam com escárnio: “Salve, rei dos judeus!”. Cuspiam-lhe no rosto e, tomando da vara, davam-lhe golpes na cabeça. Depois de escarnecerem dele, tiraram-lhe o manto e entregaram-lhe as vestes. Em seguida, levaram-no para o crucificar.” (Mt 27, 27-31)

Senhor, deixastes que Vos escarnecessem e ultrajassem. Ajudai-nos a reconhecer o vosso rosto em quem é humilhado e marginalizado. Ajudai-nos a não desanimar perante as zombarias do mundo quando a obediência à vossa vontade é metida a ridículo. Carregastes a cruz e convidastes-nos a seguir-Vos por este caminho (Mt 10, 38). Ajudai-nos a aceitar a cruz, a não fugir dela, a não lamentarmo-nos nem deixar que os nossos corações se abatam com as provas da vida

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estação com calma e reflete: Eu tenho carregado a minha cruz com esperança e fé ou tenho tentado fugir dela? Tenho eu feito muitas lamentações e reclamações de todos os acontecimentos em minha vida sem conseguir reconhecer todas as graças que tens feito?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Jesus é condenado a morte

Hoje meditamos a primeira estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus é condenado à morte

Quando viram Jesus, os sumos sacerdotes e os guardas começaram a gritar: “Crucificao! Crucifica-o!” Pilatos respondeu: “Levai-o vós mesmos para o crucificar, pois eu não encontro nele crime algum”. Os judeus responderam: “Nós temos uma Lei, e, segundo essa Lei, ele deve morrer, porque se fez Filho de Deus”.. Então Pilatos entregou Jesus para ser crucificado, e eles o levaram. (João 19,6-7. 12-16).

Considera como Jesus, depois de haver sido açoitado e coroado de espinhos, foi injustamente sentenciado por Pilatos a morrer crucificado. Adorado Jesus meu: meus pecados foram maiores dos que de Pilatos, dos que vos sentenciaram a morte. Pelos méritos deste doloroso passo, vos suplico me assistais no caminho que vai recorrendo minha alma para a eternidade.

(Santo Afonso Maria Ligório)

Medita essa estação com calma e reflete: Quais os pecados que eu cometo que vão contra os ensinamentos de Deus, quais as vezes que ao negar o que Jesus me pede sou eu o próprio Pilatos à lavar as mãos? Quantas vezes virei as costas para Deus como quem grita “crucifica-o”?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Autossuficiência, uma barreira que impede Deus de agir

Viver achando que somos fortes o bastante para carregar a nossa cruz sozinhos, sem a ajuda de Deus, pode criar barreiras que impedem Deus de agir em nossas vidas.

Querer mostrar a autossuficiência para o mundo pode tornar a nossa relação com Deus mais complicada, pois demonstra que não confiamos na ajuda do Senhor. A palavra de Deus diz exatamente o contrário.

“Tudo posso naquele que me fortalece.” 

(Filipenses 4, 13)


Viver os ensinamentos que Jesus Cristo deixou é um desafio para nós, amar o próximo, perdoar incondicionalmente, viver a simplicidade das coisas, ser pobre de bens materiais, mas ricos na oração e na ação, são muitas das coisa que Cristo nos ensinou para que possamos viver uma vida correta, rumo a salvação. Um dos grandes exemplos que Ele nos deixou na sua dolorosa Paixão, foi a humildade de se deixar ajudar por Simão .

Mesmo sendo 100% homem e 100% Deus, alguém ajudou a carregar Sua cruz

Autossuficiência, uma barreira para Deus agir

É difícil pensar que o filho de Deus teve ajuda para carregar a penosa cruz ao calvário, o mesmo Cristo que era cem por cento homem e cem por cento Deus, Aquele que não precisava estar naquela situação, aceitou a ajuda em um momento de total dificuldade e apresentou a nós Sua humanidade. Aceitar ajuda em momentos de dificuldade não é vergonhoso, a única vergonha que devemos ter como católicos é de pecar.

Frente a todas as provações que enfrentamos diariamente, devemos abraçar essa cruz assim como Jesus Cristo abraçou sua penosa cruz em direção ao Calvário.
Um passo importante para quebrar a barreira da autossuficiência criada por nós, é intensificar a oração pessoal.

“Mas você, quando rezar entre em seu quarto, feche a porta e reze a seu Pai que está em segredo. Seu Pai, que vê no segredo, recompensará você.” 

(Mateus 6, 6)

Na oração pessoal criamos intimidade com Deus, isso nos deixa mais seguros para se agarrar Nele completamente, permitindo que Ele nos ajude.

Quantas vezes Deus enviou uma pessoa para ajudar em um momento de dificuldade e angustia, e simplesmente por seu egoísmo não aceitamos?

Por tantas vezes Deus enviou anjos e pessoas para nos ajudar, mas por vergonha recusamos?

Aceitar a ajuda do “Simão Cirineu” que Deus nos envia, pode quebrar a barreira da autossuficiência que impede Deus de agir e operar milagres em nós. Caso você ache que não recebeu um “Simão Cirineu” (enviado por Deus) talvez seja a sua hora de ser o Simão Cirineu para outra pessoa.

Chap chap!
Matheus de Souza Floriani