Sábado Santo

Faala Movimento Água Viva, aqui estamos novamente para refletir sobre a Semana Santa

Vivemos a principal semana da Igreja Católica, dias de muita riqueza litúrgica e espiritual, momentos de reflexão e entrega a Deus. Mas esse ano, estamos vivendo de uma forma diferente, não é mesmo? 

Vivemos uma quaresma em quarentena, tivemos a oportunidade de nos unir a Jesus no deserto, onde Ele se isolou de todos para se preparar para a grande entrega, para o grande ato de amor. E nós, ficamos isolados em casa, tendo a oportunidade de melhor viver esse tempo, de nos prepararmos para a morte de cruz e a grande ressurreição.

Hoje é o Sábado Santo, estamos no seio do tríduo Pascal, no coração desse tempo. Já vivemos a instituição da Eucaristia, dia em que Jesus, que é tão grande, se faz pequeno num pedaço de pão e Se deixa para nós. Vivemos a prisão de Jesus, as acusações, as humilhações e perseguições. Estivemos ao lado de Jesus no calvário, vimos as suas feridas, ouvimos o martelar dos pregos. Deus se entregou e morreu por nós. Aprendemos com Maria, a serva fiel, a estar ao pé da cruz com fé e esperança. Por fim, vimos o corpo do Salvador ser levado para o sepulcro. E aguardamos a sua Ressurreição triunfal.

E agora, o que vivemos é a ausência. O Cristo está calado, a terra está calada, a ausência de sons toma conta dos nossos ouvidos e do nosso coração. Parece que nada acontece hoje. Onde está Jesus? Sofremos, está doendo.

Silêncio. É essa a particularidade do Sábado Santo.

            Mesmo que tudo esteja em silêncio, Cristo age, pois, no silêncio Cristo desceu até a mansão dos mortos para salvar o homem e levá-lo para a eternidade. As portas do céu se abriram e lá está Jesus, nos esperando para viver a eternidade com Ele.

A Vigília Pascal tem quatro partes fundamentais: Liturgia da Luz, da Palavra, do Batismo e da Eucaristia.

Liturgia da Luz

Abençoa-se o fogo e prepara-se o círio no qual o sacerdote com uma punção traça uma cruz. Depois marca na parte superior a letra Alfa e na inferior Ômega, indicando que Cristo é o início e o fim, entre os braços da cruz marca as cifras do ano em curso. Depois de se acender o círio pascal, proclama-se a Ressurreição e recita-se a Proclamação da Páscoa.

Liturgia do Batismo

Neste dia em especial abençoa-se a água, água que renova a vida, e renovamos as promessas batismais, é muito comum neste dia realizar-se o batismo dos catecúmenos.

Liturgia da Palavra

Nesse dia santo a liturgia da palavra recorda a história da nossa salvação, desde a criação, o pecado original de Adão e Eva, passando por Moisés que liberta do povo da escravidão do Egito, aguardando o Messias até a ressureição de Jesus Cristo, que possibilita a nossa salvação eterna.

Liturgia Eucarística

Ao se aproximar o dia da Ressurreição, a Igreja é convidada a participar do banquete eucarístico, vive-se um ambiente festivo e de louvor, porque cumpriu-se as promessas de Deus, abrindo-se as portas da salvação para a humanidade.

“A Vigília Pascal é uma celebração solene e com uma catequese muito profunda. Quando participamos, cheios de atenção e desejo de nos encontrarmos com o Senhor, ficamos maravilhados com a beleza e o esplendor em torno de Jesus, nossa Luz. A Vigília Pascal transforma a noite mais clara que o dia, e nos impulsiona a irmos ao encontro do Senhor Ressuscitado, para vê-Lo e acreditar na vitória da vida sobre a morte. A Ressurreição de Jesus torna o Sábado Santo uma Noite de Luz!” (Portal CN)

Núcleo de Espiritualidade
Movimento Água Viva

Sexta-Feira Santa

Chegamos na Sexta Feira Santa, o dia de silêncio, jejum e oração, porém sem clima de luto, e sim de respeito e meditação sobre a oferta de Cristo. Celebramos a morte vitoriosa.

Hoje somos convidados a olhar para a cruz, meditar os pregos cravados nas mãos e pés de Cristo, a coroa de espinhos e os seus machucados. A Cruz é o centro da celebração.

Na liturgia percorremos o caminho do calvário, vimos Jesus ser preso, levado para Herodes e Pilatos. Vimos Pilatos lavar as suas mãos e soltar Barrabás, conforme o povo pediu. A partir dali, Jesus é açoitado, recebe a coroa de espinhos e se encaminha para o local em que seria Crucificado.

Tivemos dois amigos do movimento, Jean e Ivana, que tiveram a oportunidade de estar na Escada Santa, a escada em que o próprio Cristo subiu para ser interrogado por Pilatos. Vejam o relato:

“Lá fomos nós em junho de 2019, em Roma – Itália. Estavam perto de nós cerca de 15 pessoas, todas subindo cada degrau com calma, com o terço na mão e rezando. Nas paredes, ao redor da escada havia pinturas da Via Sacra, e no topo da escada, a pintura da crucificação. “

“Ah, pode-se subir apenas de joelhos!”

“No primeiro momento em que tocamos a escada, lágrimas já corriam por nossos olhos sem que pudéssemos controlar. Pensávamos ‘Quem somos nós para tocar o mesmo chão que Jesus tocou?’. A cada degrau os joelhos doíam mais, mas quando olhávamos para a nossa dor de estar ali, de joelhos subindo a escada, pensávamos quão pouco somos capazes de nos sacrificar por Cristo, pois nossa dor era ínfima perto do que Cristo sentiu quando foi açoitado, coroado de espinhos e crucificado por amor a nós. Porém, ao mesmo tempo em que nos sentíamos pequenos, indignos de estar ali, nos sentíamos grandes e acolhidos em Jesus Cristo.”

“Enquanto subíamos, fomos rezando e meditando a Via Sacra, simplesmente agradecendo por estar ali, pela oportunidade de estar vivendo aquele momento naquele lugar. É como se estivéssemos tocando Cristo, como se estivéssemos com Ele naquele dia em que foi crucificado. Era um misto de sentimentos e reações, pedimos perdão, agradecemos, rimos, choramos…de soluçar… ficamos atônitos por muito tempo na verdade.”

“Saímos de lá com a certeza de que foi a experiência mais incrível que tivemos em nossa vida, e ainda mais apaixonados por Cristo.”

A Sexta-Feira Santa nos faz esse convite, de nos colocar junto à Cristo, no açoite, no caminho do calvário, na Cruz, onde Ele entregou-se por inteiro a nós.

Por fim, convidamos à reflexão, de que Jesus gastou o seu suor, o seu sangue e sua vida, por nós, para nos salvar, “Tendo amado os Seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13,1). E nós, o que estamos fazendo para santificar a vida de outras pessoas em prol da salvação? Estou amando o meu próximo? Cristo nos amou antes de nós conseguirmos amá-Lo, é um amor genuíno que não espera nada em troca, simplesmente se entrega. E nós?

Que Deus lhe abençoe.

Núcleo de Espiritualidade