Jesus cai pela segunda vez

Hoje meditamos a sétima estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus cai pela segunda vez

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

Rodearam-me (…). Cercaram-me como um enxame de vespas, a sua fúria crepitava como fogo entre espinhos, mas eu aniquilei-os em nome do Senhor. Empurraram-me com violência para eu cair, mas o Senhor veio em meu auxílio. (…) O Senhor castigou-me com dureza, mas não me deixou morrer». (Sl, 117, 11.12-13.18)

A tradição da tríplice queda de Jesus sob o peso da cruz recorda a queda de Adão – o ser humano caído que somos nós – e o mistério da associação de Jesus à nossa queda. Na história, a queda do homem assume sempre novas formas. Na sua primeira carta, S. João fala duma tríplice queda do homem: a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida. Olhando a história mais recente, podemos também pensar como a cristandade, cansada da fé, abandonou o Senhor: as grandes ideologias, com a banalização do homem que já não crê em nada e se deixa simplesmente ir à deriva, construíram um novo paganismo, pior que o antigo. O Senhor carrega este peso e cai… cai, para poder chegar até nós; Ele olha-nos para que em nós volte a palpitar o coração; cai para nos levantar

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estação com calma e reflete: Como tenho vivido a minha sexualidade? E quanto concupiscência dos olhos, eu tenho desejado coisas que não sustentam a minha carne mas estão relacionadas a minha imaginação e desejos? Tenho sido o senhor da minha vida, me colocando no lugar do próprio Deus? Como nesta quaresma eu tenho praticado o jejum, a esmola e a oração?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Verônica limpa o rosto de Jesus

Hoje meditamos a sexta estação da Paixão de Nosso Senhor: Verônica limpa o rosto de Jesus

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

Segredou-me o coração: “Procura a sua face!” É, Senhor, o vosso rosto que eu persigo. Não escondais de mim o vosso rosto, nem rejeiteis com ira o vosso servo. Vós sois a minha ajuda, o Deus da minha salvação. (Sl, 27/26, 8-9)

É, Senhor, o vosso rosto que eu persigo. Não escondais de mim o vosso rosto» (Sal 27/26, 8). Verônica encarna este anseio que provam todos os homens crentes, de verem o rosto de Deus. É a imagem da mulher bondosa que, perante o turbamento e escuridão dos corações, mantém a coragem da bondade, não permite ao seu coração de entenebrecer-se: «Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus» (Mt 5, 8). O ato de amor imprime no seu coração a verdadeira imagem de Jesus: no Rosto humano, coberto de sangue e de feridas, ela vê o Rosto de Deus. Somente com o coração podemos ver Jesus. Apenas o amor nos torna capazes de ver e nos torna puros. Só o amor nos faz reconhecer Deus, que é o próprio amor

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estaçãocom calma e reflete: O meu coração está como o de Verônica, inquieto que procura a face de Deus? Tenho conseguido ver com profundidade o agir de Deus ou tenho ficado na superficialidade da minha relação com Ele? Tenho mostrado em mim a face Dele? Em que atitudes eu fui imagem e semelhança e em quais não fui?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Simão Cirineu ajuda Jesus a carregar a cruz

Hoje meditamos a quinta estação da Paixão de Nosso Senhor: Simão Cirineu ajuda Jesus a carregar a cruz

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

Ao saírem, encontraram um homem de Cirene, chamado Simão, e requisitaram-no, para levar a cruz de Jesus. Jesus disse aos seus discípulos: “Se alguém quiser seguir-Me, renegue-se a si mesmo, pegue na sua cruz e siga-Me”. (Mt 27, 32; 16, 24)

Simão de Cirene regressa do trabalho, vai a caminho de casa quando se cruza com aquele triste cortejo de condenados – para ele talvez fosse um espectáculo habitual. Os soldados valem-se do seu direito de coacção e colocam a cruz às costas dele, robusto homem do campo. Que aborrecimento não deverá ter sentido ao ver-se inesperadamente envolvido no destino daqueles condenados! Mas, do encontro involuntário, brotou a fé. Jesus, cujo amor divino era o único que podia, e pode, redimir a humanidade inteira, quer que compartilhemos a sua cruz para completar o que ainda falta aos seus sofrimentos (Col 1, 24). Jesus, abriu a Simão os olhos e o coração, dando-lhe, a graça da fé

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estação com calma e reflete: Quais são as pessoas que tem o verdadeiro papel de Simão Cirineu em minha vida? Eu tenho me colocado também a disposição dos outros para sofrer com eles? Tenho experimentado a graça de poder partilhar a cruz dos outros? Tenho contribuído para salvação dos meus irmãos? De que forma?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Jesus encontra com Maria

Hoje meditamos a quarta estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus encontra com Maria

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua Mãe: “Ele foi estabelecido para a queda e o ressurgir de muitos em Israel, e para ser sinal de contradição; e uma espada Te há-de traspassar a alma. Assim se deverão revelar os intentos de muitos corações” (…) Sua mãe guardava no coração todas estas recordações. (Lc 2, 34-35.51)

Maria está ali, com a coragem de mãe, com a fidelidade de mãe, com a bondade de mãe, e com a sua fé, que resiste na escuridão: «Feliz daquela que acreditou» (Lc 1, 45). Maria foi aquela que permaneceu fiel até mesmo no momento em que os próprios discípulos fugiram. Aquela que acreditou no anjo quando anunciou o que era incrível – que haveria de ser Mãe do Altíssimo – assim também acreditou e se manteve firme na hora da Sua maior humilhação, sofreu em silêncio e confiou. E foi assim que, na hora da cruz, na hora da noite mais escura do mundo, Vos tornastes Mãe daqueles que creem, Mãe da Igreja.

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estação com calma e reflete: Quais os momentos em que tenho tido a fé como a de Maria? Tenho pedido a ela que me dê a graça das virtudes que me são necessárias (especialmente da fé e da confiança)? Tenho repetido as frases que ela pronunciou com verdadeira entrega nesse momento da queda de Jesus, “estou aqui Jesus”? Tenho deixado que “faça-se em mim” segundo as vontades daquele que me criou?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Jesus cai pela primeira vez

Hoje meditamos a terceira estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus cai pela primeira vez

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

Eram os nossos males que Ele suportava, e as nossas dores que tinha sobre Si. Mas nós víamos n’Ele um homem castigado, ferido por Deus e sujeito à humilhação. Ele foi trespassado por causa das nossas culpas, e esmagado devido às nossas faltas. O castigo que nos salva, caiu sobre Ele, e por causa das suas chagas é que fomos curados. Todos nós, como ovelhas, andávamos errantes, seguindo cada qual o seu caminho. E o Senhor fez cair sobre Ele as faltas de todos nós. (Isaías; 53,4-6)


Na queda de Jesus sob o peso da cruz, é visível a sua voluntária humilhação para nos levantar do nosso orgulho. E ao mesmo tempo aparece a natureza do nosso orgulho: a soberba pela qual desejamos emancipar-nos de Deus sendo apenas nós mesmos, pela qual cremos que não temos necessidade do amor eterno, mas queremos organizar a nossa vida sozinhos. Nesta revolta contra a verdade, nesta tentativa de nos tornarmos Deus, de sermos criadores e juízes de nós mesmos, caímos e acabamos por autodestruir-nos

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estação com calma e reflete: Em quais situações eu tentei carregar a cruz sozinho e acabei caindo? Em quais momentos eu reagi com soberba e não pratiquei a virtude da humildade? O que me leva a cair quando estou carregando a cruz, o que me faz tropeçar?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Jesus carrega a cruz

Hoje meditamos a segunda estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus carrega a cruz

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

“Os soldados arrancaram-lhe as vestes e colocaram-lhe um manto. Depois, trançaram uma coroa de espinhos, meteram-lha na cabeça e puseram-lhe na mão uma vara. Dobrando os joelhos diante dele, diziam com escárnio: “Salve, rei dos judeus!”. Cuspiam-lhe no rosto e, tomando da vara, davam-lhe golpes na cabeça. Depois de escarnecerem dele, tiraram-lhe o manto e entregaram-lhe as vestes. Em seguida, levaram-no para o crucificar.” (Mt 27, 27-31)

Senhor, deixastes que Vos escarnecessem e ultrajassem. Ajudai-nos a reconhecer o vosso rosto em quem é humilhado e marginalizado. Ajudai-nos a não desanimar perante as zombarias do mundo quando a obediência à vossa vontade é metida a ridículo. Carregastes a cruz e convidastes-nos a seguir-Vos por este caminho (Mt 10, 38). Ajudai-nos a aceitar a cruz, a não fugir dela, a não lamentarmo-nos nem deixar que os nossos corações se abatam com as provas da vida

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estação com calma e reflete: Eu tenho carregado a minha cruz com esperança e fé ou tenho tentado fugir dela? Tenho eu feito muitas lamentações e reclamações de todos os acontecimentos em minha vida sem conseguir reconhecer todas as graças que tens feito?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Jesus é condenado a morte

Hoje meditamos a primeira estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus é condenado à morte

Quando viram Jesus, os sumos sacerdotes e os guardas começaram a gritar: “Crucificao! Crucifica-o!” Pilatos respondeu: “Levai-o vós mesmos para o crucificar, pois eu não encontro nele crime algum”. Os judeus responderam: “Nós temos uma Lei, e, segundo essa Lei, ele deve morrer, porque se fez Filho de Deus”.. Então Pilatos entregou Jesus para ser crucificado, e eles o levaram. (João 19,6-7. 12-16).

Considera como Jesus, depois de haver sido açoitado e coroado de espinhos, foi injustamente sentenciado por Pilatos a morrer crucificado. Adorado Jesus meu: meus pecados foram maiores dos que de Pilatos, dos que vos sentenciaram a morte. Pelos méritos deste doloroso passo, vos suplico me assistais no caminho que vai recorrendo minha alma para a eternidade.

(Santo Afonso Maria Ligório)

Medita essa estação com calma e reflete: Quais os pecados que eu cometo que vão contra os ensinamentos de Deus, quais as vezes que ao negar o que Jesus me pede sou eu o próprio Pilatos à lavar as mãos? Quantas vezes virei as costas para Deus como quem grita “crucifica-o”?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Encenação da Paixão de Cristo

O Movimento Água Viva encena a Paixão de Cristo há 15 anos e desde 2014 essa encenação ocorre nas escadarias da Catedral Metropolitana de Florianópolis.

A encenação cujo lema é “Foi Por Você” visa apresentar ao público os últimos momentos da vida terrena de Jesus Cristo: sua prisão, julgamento, açoite, crucificação e sepultamento. Levando o público a refletir e vivenciar os momentos finais de Cristo.

Este ano, a encenação ocorrerá no dia 19 de Abril (sexta-feira Santa) às 17h.
A encenação é totalmente gratuita mas terá um posto de coleta para arrecadação de alimentos não perecíveis com destino à Pastoral do Migrante para aqueles que quiserem contribuir.

Venha para o lado luminoso da força!

Se as vezes você sente que não é deste mundo, que as coisas não estão no seu devido lugar, que está faltando alguma coisa, ou você vive nas estrelas procurando algo que não sabe o que é…. talvez você ainda não tenha percebido, mas estamos passando por uma guerra e você vai ter que decidir de qual lado da força você vai ficar.

Nós estamos aqui para lutar esta luta juntos com você e queremos que você venha para o lado luminoso da força!

O 32º Retiro de Aspirantes do Movimento Água Viva está muito especial. Você não vai se arrepender (e também não tem nada a perder né). O retiro é destinado aos jovens que procuram encontrar O Sentido de suas vidas, fazer novas amizades, e ter uma experiência única com O Amor verdadeiro.

E aí? Qual lado da força você vai escolher?

Autossuficiência, uma barreira que impede Deus de agir

Viver achando que somos fortes o bastante para carregar a nossa cruz sozinhos, sem a ajuda de Deus, pode criar barreiras que impedem Deus de agir em nossas vidas.

Querer mostrar a autossuficiência para o mundo pode tornar a nossa relação com Deus mais complicada, pois demonstra que não confiamos na ajuda do Senhor. A palavra de Deus diz exatamente o contrário.

“Tudo posso naquele que me fortalece.” 

(Filipenses 4, 13)


Viver os ensinamentos que Jesus Cristo deixou é um desafio para nós, amar o próximo, perdoar incondicionalmente, viver a simplicidade das coisas, ser pobre de bens materiais, mas ricos na oração e na ação, são muitas das coisa que Cristo nos ensinou para que possamos viver uma vida correta, rumo a salvação. Um dos grandes exemplos que Ele nos deixou na sua dolorosa Paixão, foi a humildade de se deixar ajudar por Simão .

Mesmo sendo 100% homem e 100% Deus, alguém ajudou a carregar Sua cruz

Autossuficiência, uma barreira para Deus agir

É difícil pensar que o filho de Deus teve ajuda para carregar a penosa cruz ao calvário, o mesmo Cristo que era cem por cento homem e cem por cento Deus, Aquele que não precisava estar naquela situação, aceitou a ajuda em um momento de total dificuldade e apresentou a nós Sua humanidade. Aceitar ajuda em momentos de dificuldade não é vergonhoso, a única vergonha que devemos ter como católicos é de pecar.

Frente a todas as provações que enfrentamos diariamente, devemos abraçar essa cruz assim como Jesus Cristo abraçou sua penosa cruz em direção ao Calvário.
Um passo importante para quebrar a barreira da autossuficiência criada por nós, é intensificar a oração pessoal.

“Mas você, quando rezar entre em seu quarto, feche a porta e reze a seu Pai que está em segredo. Seu Pai, que vê no segredo, recompensará você.” 

(Mateus 6, 6)

Na oração pessoal criamos intimidade com Deus, isso nos deixa mais seguros para se agarrar Nele completamente, permitindo que Ele nos ajude.

Quantas vezes Deus enviou uma pessoa para ajudar em um momento de dificuldade e angustia, e simplesmente por seu egoísmo não aceitamos?

Por tantas vezes Deus enviou anjos e pessoas para nos ajudar, mas por vergonha recusamos?

Aceitar a ajuda do “Simão Cirineu” que Deus nos envia, pode quebrar a barreira da autossuficiência que impede Deus de agir e operar milagres em nós. Caso você ache que não recebeu um “Simão Cirineu” (enviado por Deus) talvez seja a sua hora de ser o Simão Cirineu para outra pessoa.

Chap chap!
Matheus de Souza Floriani