Jesus é sepultado

Hoje meditamos a décima quarta estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus é sepultado

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

José pegou no corpo de Jesus, envolveu-o num lençol limpo e depositou-o no seu túmulo novo, que tinha mandado escavar na rocha. Depois, rolou uma grande pedra para a porta do túmulo e retirou-se. Entretanto, estavam ali Maria de Madalena e a outra Maria, sentadas em frente do sepulcro. Mt 27,59-61

Agora chega também um homem rico, José de Arimateia. Sepulta Jesus no seu túmulo ainda intacto, num jardim: o cemitério onde fica sepultado Jesus transforma-se em jardim, no jardim onde fora expulso Adão. O túmulo no jardim faz-nos saber que o domínio da morte está para terminar. E chega também um membro do Sinédrio, Nicodemos, a quem Jesus tinha anunciado o mistério do renascimento pela água e pelo Espírito. Sobre a hora do grande luto, da grande escuridão e do desespero, aparece misteriosamente a luz da esperança. A Igreja de Jesus Cristo, a sua nova família, começa a formar-se.

No momento da deposição, começa a realizar-se a palavra de Jesus: «Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, dá muito fruto» (Jo 12, 24). Jesus é o grão de trigo que morre. Do grão de trigo morto começa a grande multiplicação do pão que dura até ao fim do mundo: Ele é o pão de vida capaz de saciar em medida superabundante a humanidade inteira e dar-lhe o alimento vital: o Verbo eterno de Deus, que Se fez carne e também pão, através da cruz e da ressurreição. Sobre a sepultura de Jesus resplandece o mistério da Eucaristia. Do sepulcro brilha a promessa do grão de trigo, do qual provém o verdadeiro maná, o pão da vida

(Vatican News, Papa Bento XVI).

“Senhor, os três dias parecem-nos tão longos! Os nossos irmãos fortes cansam-se, os irmãos fracos escorregam cada vez mais fundo. Dai perseverança aos fortes, animai os fracos e convertei todos os corações. Senhor, fazei-nos perseverantes na união com a Igreja do silêncio e na aceitação da necessidade de desaparecer e morrer como o grão de trigo.”

(Cardeal Joseph Zen Ze-Kiun, s.d.b. –  Bispo de Hong Kong, 2008).

Medita essa estação com calma e reflete: Tenho deixado a minha fé dentro do sepulcro ou sou testemunha da ressurreição? Tenho me deixado morrer como o grão de trigo ou ainda me apego a pecados que não me permitem dar frutos? Quais as dificuldades que enfrento que dificultam na minha perseverança e que me fazem não conseguir passar os três dias até que chegue a ressurreição?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Meditação para a Quinta-feira Santa

1. Um Coração que nos deseja

O Coração Eucarístico de Cristo, inflamado de amor nesta Quinta-feira da Semana Santa, quer doar-se a nós e envolver-nos no desejo que Ele mesmo tem de estar conosco.

Inicia-se na noite de hoje, Quinta-feira Santa, a celebração do Sagrado Tríduo da Paixão. Com a Missa comemorativa da Ceia do Senhor, durante a qual se realiza a cerimônia do lava-pés, a Igreja nos ambienta naquele cenáculo em que, há dois mil anos, nos foram concedidos dois dons intimamente relacionados: o sacerdócio católico e a Santíssima Eucaristia, dois sacramentos da Nova Aliança que, cada um ao seu modo, imortalizam neste mundo a presença do nosso divino Redentor.

São dons que brotam do Coração Eucarístico de Nosso Senhor Jesus Cristo. Nós, que nos preparamos ao longo da Quaresma para a celebração deste momento, temos hoje de recordar que Jesus se preparou para tão sublime hora, não durante uns poucos dias, mas durante toda a sua vida. “Tenho desejado ardentemente comer convosco esta Páscoa, antes de sofrer” (Lc22, 15), diz Ele no Evangelho segundo S. Lucas. Do Coração de Cristo nasce este desejo porque, como complementa o Apóstolo S. João, “tendo amado os seus que estavam no mundo, até o extremo os amou” (Jo 13, 1).

Na Última Ceia, portanto, Cristo experimenta verdadeira e profundamente, antecipando o seu sacrifício na cruz, a entrega amorosa e salvífica de si mesmo. Nesta noite santíssima, Ele toma o cálice e diz: “Tomai este cálice e distribuí-o entre vós […]. Este cálice é a Nova Aliança em meu sangue, que é derramado por vós” (Lc 22, 17.20). Hoje, Ele derrama na ceia eucarística o próprio Sangue por nós, a fim de dar-nos a salvação eterna. É, numa palavra, o Sangue do verdadeiro Cordeiro pascal — e não mais a figura passageira do Antigo Testamento —, que afasta de nós a pena devida aos nossos pecados.

Mas, além de livrar-nos da punição dos nossos crimes, o sacrifício de Cristo nos faz entrar em comunhão com Deus. De fato, assim como os antigos israelitas tinham de comer o cordeiro pascal, e não só untar o batente das portas com o sangue dele, assim também nós, incorporados ao novo Israel, que é a Igreja, somos chamados a alimentar-nos espiritualmente do Cordeiro de Deus pela participação na mesa eucarística. Como escreve S. Paulo, “o cálice de bênção, que benzemos, não é a comunhão do sangue de Cristo? E o pão, que partimos, não é a comunhão do corpo de Cristo?” (1Cor 10, 16).

A Eucaristia, desse ponto de vista, é ao mesmo tempo sacrifício e comunhão: sacrifício salvador, que nos alcança o perdão dos nossos pecados, e comunhão de amor, que nos une e incorpora a Deus mediante o seu Filho unigênito. E tudo isso, Cristo o quis levar a cabo com toda a força do seu Coração: “Tenho desejado ardentemente comer convosco esta Páscoa” (Lc22, 15).

Nós, porém, muitas vezes respondemos a este amor com pouco caso, indo à Missa de corpo arrastado, preguiçoso e mal arrumado. E no entanto ali no altar, glorioso e ressuscitado, está o Senhor presente, desejando ardorosamente estar conosco e fazer de nossa pobre alma o seu cenáculo. Não há, pois, maneira de imaginar nem de medir o desejo com que Ele, fornalha ardente de caridade, quer vir a nós e dar-nos a salvação.

Nesta noite santa, temos de pedir-lhe que nos comunique um pouco do seu Coração amantíssimo, a fim de nos darmos conta, ainda que com imperfeição, da vontade imensa que Ele tem de unir-se a nós. Precisamos, a exemplo do discípulo amado, reclinar a cabeça sobre o seu peito e deixar que as pulsações do seu Coração nos revelem por si mesmas o quanto somos amados. A noite de hoje, portanto, é noite para abandonar-nos filialmente à graça de Cristo, cientes da nossa fraqueza, que bem nos poderia levar, como sucedeu com S. Pedro, a negar não só três, mas inúmeras vezes o nosso amado Salvador.

Sim, todos somos como Pedro. Confiantes em nossas próprias forças, achamos que está em nossas mãos morrer por Jesus, como se fôssemos capazes de fazer algo sem o seu auxílio. Quantas e quantas vezes, com efeito, já não saímos do confessionário, dispostos a tomar outro rumo, a ter mais vida de oração, a largar este ou aquele pecado habitual, e talvez no mesmo dia, poucas horas depois, caímos nas mesmas misérias…

Precisamos, sim, todos os dias, reclinar a cabeça sobre o peito de Cristo para dali receber a graça sem a qual nada somos, para dali receber um coração novo, capaz de também querer ardentemente estar com Ele. Sem isso, acabaremos negando-o como Pedro ou, o que é pior, traindo-o como Judas.

Nesta noite, quando terminarmos a Santa Missa in Cœna Domini, com os olhos postos no SS. Sacramento sendo levado para o altar da reposição, peçamos a Nosso Senhor que nos conceda a graça de, ao menos por uma hora, velarmos ao seu lado em oração. Porque, se o seu Coração não vier em nosso socorro, seremos como aqueles discípulos sonolentos, insensíveis, lentos para crer e para amar. Se Ele não vier hoje em nosso auxílio, faremos repetir-se a mesma história: a negação, motivada pelo menor desconforto, e a traição de preferir-nos a nós mesmos ao amor de Jesus.

Hoje, Deus insiste mais uma vez em estar conosco. Porque nos ama, pede-nos amor. Porque nos quer, pede-nos que o queiramos. Hoje, vivendo a fragilidade humana até o extremo, pede que estejamos ao seu lado, consolando-o, fazendo-lhe companhia, dando-lhe o pouco que podemos dar. Hoje, não deve haver em nossos corações lugar para indiferença nem sonolência: “Tenho desejado ardentemente comer convosco esta Páscoa”!

Fonte:
https://padrepauloricardo.org/episodios/um-coracao-que-nos-deseja

Padre Paulo Ricardo

Jesus é descido da cruz

Hoje meditamos a décima terceira estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus é descido da cruz

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

O centurião e os que estavam com ele de guarda a Jesus, ao verem o tremor de terra e o que estava a suceder, ficaram aterrados e disseram: «Ele era, na verdade, Filho de Deus». Estavam ali, a observar de longe, muitas mulheres, que tinham seguido Jesus desde a Galileia, para O servirem. Mt 27, 54-55

Jesus morreu, o seu coração é transpassado e dele brotam sangue e água: misteriosa imagem do rio dos sacramentos, do Batismo e da Eucaristia, dos quais, renasce a Igreja. E não Lhe são quebradas as pernas, como aos outros dois crucificados; deste modo Ele aparece como o verdadeiro cordeiro pascal, ao qual nenhum osso deve ser quebrado (cf. Ex 12, 46). Para Jesus e para Maria, foi o trespassamento de dois corações com uma só lança. É esta transfixão simultânea, que nos une na adoração ao Sagrado Coração de Jesus e à veneração do Imaculado Coração de Maria

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Maria, aqui não é Belém: aqui é o Calvário. O Seu Corpo não é branco, como se viesse de Seu Pai, mas tinto de sangue, como se de nós saísse. Em Seu berço, era um cálice de oferenda, cheio do sangue que dá vida. Agora, junto da Cruz, o Seu Corpo é um cálice vazio de todas as gotas de sangue que Ele verteu para a Redenção da Humanidade. No estábulo não havia lugar para Ele. Morto, também não tinha onde repousar a Sua cabeça – a não ser nos braços de Sua Mãe.

(Venerável Fulton J. Sheen)

“Eis que descem o Salvador da Cruz em que morrera! Ó Virgem sacrossanta, destes com tanto amor Vosso Filho ao Mundo, e vede como ele vo-lo entrega!”

(Santo Afonso Maria de Ligório)

Também nós nos aproximamos do corpo de Jesus descido da Cruz. Neste corpo reconhecemo-nos como seus membros feridos, mas guardados pelo abraço da Mãe. Reconhecemo-nos também nestes braços, os braços da Igreja-Mãe que lembram o altar que nos oferece o Corpo de Cristo. Quem podia acolher o corpo sem vida de Jesus senão aquela que Lhe dera a vida? Podemos imaginar os sentimentos de Maria, que O acolhera nos seus braços. Ao mesmo tempo que abraça seu Filho, repete uma vez mais o seu fiat. Agora Ela deve entregá-Lo às gélidas pedras do sepulcro, depois de O ter apressadamente limpo e ajeitado. A única coisa a fazer agora, é esperar. Parece infindável a expectativa do terceiro dia.

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estação com calma e reflete: Quantas vezes parece que Deus está morto para mim? Quantas vezes me afasto Dele e fico na escuridão assim como ficou a terra após Sua morte? E ainda, quando que nessas situações eu tenho colocado meu sofrimento no colo de Maria e tenho esperado com ela as demoras de Deus? Tenho tido intimidade com ela? Quanto Maria ainda sofre por todos os seus filhos, por mim?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Jesus morre na cruz

Hoje meditamos a décima segunda estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus morre na cruz

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

A partir do meio-dia, houve trevas em toda a região, até às três horas da tarde. E, pelas três horas da tarde, Jesus bradou com voz forte: “Eli, Eli, lemá sabachthani”, quer dizer, “Meu Deus, Meu Deus, porque Me abandonaste?” Alguns dos presentes ouviram e disseram: «Está a chamar por Elias». E logo um deles correu a pegar numa esponja, ensopou-a em vinagre, pô-la numa cana e deu-Lhe a beber. Mas os outros disseram: «Deixa lá! Vejamos se Elias vem salvá-Lo». E Jesus, dando novamente um forte brado, expirou. Entretanto, o centurião e os que estavam com ele de guarda a Jesus, ao verem o tremor de terra e o que estava a suceder, ficaram aterrados e disseram: «Ele era, na verdade, Filho de Deus». Mt 27, 45-50.54

Jesus reza o Salmo 22, que começa por estas palavras: «Meu Deus, meu Deus, porque Me abandonaste?» (Sal 22/21, 2). E do alto da cruz vem um grito de abandono, grito de confiança no sofrimento, grito do parto de uma nova vida. Vemo-Vos, suspenso na Árvore da Vida, fazendo jorrar a vida em abundância. O homem pensou insensatamente: Deus morreu! Mas, se morre Deus, quem nos dará ainda a vida? Se morre Deus, o que é a vida? A vida é Amor! Então, a cruz não é a morte de Deus, mas na verdade é o momento em que se rompe a frágil crosta da humanidade assumida por Deus e começa a inundação de amor que renova a humanidade. Da cruz nasce a conversão de Agostinho, a pobreza feliz de Francisco de Assis, a bondade de Vicente de Paulo; o heroísmo de Maximiliano Kolbe, a caridade de Madre Teresa de Calcutá, a coragem de João Paulo II. Por isso a cruz não é a morte, mas nascimento do seu Amor no mundo. Bendita seja a cruz de Cristo.

(Vatican News, Papa Bento XVI, 2005)

Medita essa estação com calma e reflete: Peça para que nada mais te separe Dele, Ele que deu tudo por nós, nos deu a vida em abundância. Se possível faça um momento de adoração em um sacrário, ou ao assistir a próxima missa recorde desse momento da morte, o momento em que recebemos a maior prova de amor.

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Jesus é pregado na cruz

Hoje meditamos a décima primeira estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus é pregado na cruz

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

Puseram por cima da cabeça d’Ele um letreiro escrito com a causa da condenação: “Este é Jesus, o Rei dos Judeus”. Foram então crucificados com Ele dois salteadores, um à direita e outro à esquerda. Os que passavam dirigiam-Lhe insultos, abanavam a cabeça e diziam: “Tu que demolias o Templo e o reedificavas em três dias, salva-Te a Ti mesmo, se és Filho de Deus, e desce da cruz!” De igual modo, também os sumos sacerdotes troçavam, juntamente com os escribas e os anciãos, e diziam: “Salvou os outros e a Si mesmo não pode salvar-Se! É Rei de Israel! Desça agora da cruz, e acreditaremos n’Ele”. Mt 27,37-42

Jesus assume todo o sofrimento da crucificação, nem sequer toma a bebida anestesiante que Lhe fora oferecida. Eis o Messias esperado, suspenso no madeiro da cruz entre dois ladrões. As duas mãos que abençoaram a humanidade estão trespassadas e os dois pés que palmilharam a terra para anunciar a Boa Nova estão suspensos. Os olhos cheios de amor que curaram os enfermos, já não fixam senão o Céu. Deixemo-nos pregar a Ele, sem ceder a qualquer tentação de nos separarmos.

(Vatican News, Papa Bento XVI, 2005; Papa Francisco, 2013).

São Meliton de Sardes escreveu: “os padecimentos físicos já tão violentos ao fincar os pregos, em órgãos extremamente sensíveis e delicados, faziam-se ainda mais intensos pelo peso do corpo suspenso pelos pregos” e São Josemaria Escrivá fala “Quem me dera não estar atado senão por três pregos, nem ter outra sensação em minha carne que a Cruz”.

Medita essa estação com calma e reflete: Como poderei retribuir se não dando a minha vida inteira? Sugere-se que se reflita com a música Belíssimo Esposo da Comunidade Católica Shalom.

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Jesus é despojado de suas vestes

Hoje meditamos a décima estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus é despojado de suas vestes

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

Chegados a um lugar chamado Gólgota, quer dizer «Lugar do Crânio», deram-Lhe a beber vinho misturado com fel. Mas Jesus, quando o provou, não quis beber. Depois de O terem crucificado, repartiram entre si as suas vestes, tirando-as à sorte, e ficaram ali sentados a guardá-Lo. Mt 27,33-36.

Jesus é despojado das suas vestes. Ser despojado em público significa que Jesus já não é ninguém, é desprezado por todos. O momento do despojamento recorda-nos também a expulsão do paraíso: ficou sem o esplendor de Deus o homem, que agora está, ali, nu e exposto, desnudado e envergonha-se. Nudez é sinónimo de verdade do ser, ao ficar despojado Jesus tece a partir da cruz,  a roupa de dignidade do homem. Jesus recorda-nos o fato de que todos nós perdemos a primeira veste, isto é, o esplendor de Deus. Junto da cruz, os soldados lançam sortes para repartirem entre si as suas vestes. Recordemos ainda que, segundo diz S. João, o objeto do sorteio era a túnica de Jesus – toda tecida de alto a baixo sem costura, o que faz alusão à veste do sumo sacerdote, que também era sem costura. Ele, o Crucificado, é realmente o verdadeiro sumo sacerdote

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estação com calma e reflete: Tenho pedido a Deus a graça de reconhecer e bendizer os despojamentos que são necessários para que eu possa me tornar apenas aquilo que ele quer? Que eu possa senhor reconhecer aquilo de que preciso me despojar para poder me encontrar com a nudez redentora, e reconhecer a obediência e dependência do Pai em minha vida, para poder então receber vestes novas.

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Jesus cai pela terceira vez

Hoje meditamos a nona estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus cai pela terceira vez

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

É bom para o homem suportar o jugo desde a sua juventude. Que esteja solitário e silencioso, quando o Senhor o impuser sobre ele; que ponha sua boca no pó: talvez haja esperança! Que dê sua face a quem o fere e se sacie de opróbrios. Pois o Senhor não rejeita para sempre: se Ele aflige, Ele se compadece segundo a sua grande bondade. (Lamentações 3, 27-32)

Pode a terceira queda de Jesus fazer-nos pensar na queda do homem, no afastamento de muitos de Cristo, um secularismo sem Deus. Mas não deveríamos pensar também em tudo quanto Cristo tem sofrido na sua própria Igreja? Tantas vezes celebramos apenas nós próprios, sem nos darmos conta sequer d’Ele! Quão pouca fé existe em tantas teorias, quantas palavras vazias! Quanta auto-suficiência há entre aqueles que deveriam pertencer completamente a Ele! Tudo isto está presente na sua paixão. A traição dos discípulos, a recepção indigna do seu Corpo e do seu Sangue é certamente o maior sofrimento do Redentor, o que Lhe trespassa o coração. Nada mais podemos fazer que dirigir-Lhe, do mais fundo da alma, este grito: Kyrie, eleison – Senhor, salvai-nos (cf. Mt 8, 25)

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estação com calma e reflete:  Como tenho servido na Igreja? Tenho me colocado a disposição? Tenho me colocado como o centro das atividades? Quais são as imperfeições do meu servir?

📍Reza pela igreja, por todo o clero, pelo Santo Padre o Papa Francisco, por todos os sacerdotes, principalmente pelo o de sua paróquia. Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Jesus consola as mulheres de Jerusalém

Hoje meditamos a oitava estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus consola as mulheres de Jerusalém

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

Jesus voltou-Se para elas e disse-lhes: “Mulheres de Jerusalém, não choreis por Mim; chorai antes por vós mesmas e pelos vossos filhos. Pois dias virão em que se dirá: “Felizes as estéreis, as entranhas que não tiveram filhos e os peitos que não amamentaram”. Nessa altura, começarão a dizer aos montes: “Caí sobre nós”, e às colinas: “Encobri-nos”. Porque se fazem assim no madeiro verde, que será no madeiro seco?” (Lc 23, 28-31)

As palavras com que Jesus adverte as mulheres de Jerusalém que o seguem e choram. Como entendê-las? É uma advertência contra uma piedade puramente sentimental. O Senhor nos adverte do perigo em que nós próprios nos encontramos. Mostra-nos a seriedade do pecado e a seriedade do juízo. As mulheres que choravam, Ele falou de penitência, do dia do Juízo, quando nos encontrarmos diante da vossa face, a face do Juiz do mundo. Ele chama-nos a sair da banalização do mal que nos deixa tranquilos, mostra-nos a seriedade da nossa responsabilidade, o perigo de sermos encontrados, no Juízo, culpados e estéreis

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estação com calma e reflete: Eu tenho buscado a confissão e o exame de consciência com frequência? Tenho mantido um diálogo diário com Deus? Tenho consciência da seriedade das faltas que cometo e do quanto podem me afastar do céu?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.


Jesus cai pela segunda vez

Hoje meditamos a sétima estação da Paixão de Nosso Senhor: Jesus cai pela segunda vez

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

Rodearam-me (…). Cercaram-me como um enxame de vespas, a sua fúria crepitava como fogo entre espinhos, mas eu aniquilei-os em nome do Senhor. Empurraram-me com violência para eu cair, mas o Senhor veio em meu auxílio. (…) O Senhor castigou-me com dureza, mas não me deixou morrer». (Sl, 117, 11.12-13.18)

A tradição da tríplice queda de Jesus sob o peso da cruz recorda a queda de Adão – o ser humano caído que somos nós – e o mistério da associação de Jesus à nossa queda. Na história, a queda do homem assume sempre novas formas. Na sua primeira carta, S. João fala duma tríplice queda do homem: a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida. Olhando a história mais recente, podemos também pensar como a cristandade, cansada da fé, abandonou o Senhor: as grandes ideologias, com a banalização do homem que já não crê em nada e se deixa simplesmente ir à deriva, construíram um novo paganismo, pior que o antigo. O Senhor carrega este peso e cai… cai, para poder chegar até nós; Ele olha-nos para que em nós volte a palpitar o coração; cai para nos levantar

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estação com calma e reflete: Como tenho vivido a minha sexualidade? E quanto concupiscência dos olhos, eu tenho desejado coisas que não sustentam a minha carne mas estão relacionadas a minha imaginação e desejos? Tenho sido o senhor da minha vida, me colocando no lugar do próprio Deus? Como nesta quaresma eu tenho praticado o jejum, a esmola e a oração?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.

Verônica limpa o rosto de Jesus

Hoje meditamos a sexta estação da Paixão de Nosso Senhor: Verônica limpa o rosto de Jesus

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.

Segredou-me o coração: “Procura a sua face!” É, Senhor, o vosso rosto que eu persigo. Não escondais de mim o vosso rosto, nem rejeiteis com ira o vosso servo. Vós sois a minha ajuda, o Deus da minha salvação. (Sl, 27/26, 8-9)

É, Senhor, o vosso rosto que eu persigo. Não escondais de mim o vosso rosto» (Sal 27/26, 8). Verônica encarna este anseio que provam todos os homens crentes, de verem o rosto de Deus. É a imagem da mulher bondosa que, perante o turbamento e escuridão dos corações, mantém a coragem da bondade, não permite ao seu coração de entenebrecer-se: «Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus» (Mt 5, 8). O ato de amor imprime no seu coração a verdadeira imagem de Jesus: no Rosto humano, coberto de sangue e de feridas, ela vê o Rosto de Deus. Somente com o coração podemos ver Jesus. Apenas o amor nos torna capazes de ver e nos torna puros. Só o amor nos faz reconhecer Deus, que é o próprio amor

(Vatican News, Papa Bento XVI).

Medita essa estaçãocom calma e reflete: O meu coração está como o de Verônica, inquieto que procura a face de Deus? Tenho conseguido ver com profundidade o agir de Deus ou tenho ficado na superficialidade da minha relação com Ele? Tenho mostrado em mim a face Dele? Em que atitudes eu fui imagem e semelhança e em quais não fui?

📍Após refletir, reze 1 Pai Nosso, 1 Ave-Maria e 1 Glória ao Pai.